Comprando por impulso? Saiba como desenvolver a inteligência emocional nas finanças

175
inteligencia-emocional-nas-finanças

Quem nunca fez uma compra por impulso? Comprou uma roupa, um acessório ou outro bem e logo em seguida se arrependeu?

Ou pior ainda, gastou um bom dinheiro e nunca sequer tirou a etiqueta ou utilizou pouquíssimas vezes?

Isso não acontece só com você, um estudo americano demonstrou que mais de 85% das nossas decisões de compra são emocionais.

O sistema capitalista é baseado nas relações de consumo, então, todos os dias você é bombardeado com propagandas e promoções de bens que inicialmente parecem essenciais e imprescindíveis.

São nesses momentos que a inteligência emocional financeira deve entrar em cena e impedir que você gaste seu dinheiro de forma errônea.

Se você acha que costuma tomar algumas decisões financeiras equivocadas, esse texto vai cair como uma luva pra você.

O que é inteligência emocional nas finanças?

Entende-se por inteligência emocional financeira:

  • A capacidade que todos têm (ou deveriam ter) de controlar seus sentimentos e emoções para evitar decisões impensadas e impulsivas que podem levá-los às dívidas.

Mas nós sabemos que evitar o consumismo não é tão fácil assim.

Até porque, o marketing das grandes empresas é bastante agressivo justamente para que os consumidores se mantenham comprando sempre e cada vez mais.

Pensando nisso, apresentaremos algumas formas de fugir das armadilhas de consumo, todas pautadas nos preceitos da inteligência emocional.

Conheça suas finanças

A primeira dica fundamental é que você deve estar ciente da sua saúde financeira, isto é, se sua situação é de endividado, pagador de contas ou poupador/investidor.

Endividado

O endividado tem uma inteligência emocional financeira fraca, na maioria das vezes, pois gasta mais do que ganha.

Pagador de contas

O pagador de contas controla seus impulsos de consumo até o limite do seu orçamento.

Ele pode até saber como seu dinheiro está sendo empregado, mas não se esforça em cortar gastos supérfluos para melhorar sua saúde financeira.

Poupador

O poupador é aquele que controla suas decisões financeiras balanceando razão e emoção.

Assim, consegue poupar e investir para multiplicar seu patrimônio, visando alcançar a tranquilidade e independência financeira.

A inteligência emocional, da qual deriva a inteligência emocional financeira, está baseada em cinco pilares:

  • autoconhecimento, autocontrole, motivação, empatia e habilidades sociais.

Destes, dois devem ter sua maior atenção quando o assunto é finanças pessoais: autocontrole e motivação.

O autocontrole está diretamente relacionado aos impulsos de consumo e ao controle financeiro que deve ser efetuado se você quiser ter saúde financeira.

A motivação é o que vai fazer seus planos darem certo no longo prazo, pois é por meio dela que você pode se colocar no caminho certo: controlar seus gastos, cortar despesas, poupar.

Entretanto, para que você realmente tenha sucesso, é fundamental que você entenda que a motivação e o autocontrole devem ser aperfeiçoados continuamente.

Então, crie estratégias de recompensas para cada escolha financeira emocionalmente inteligente que você tomar e reforce o aspecto positivo de estar comprometido com suas finanças.

Crie objetivos

Criar objetivos e metas financeiras ajuda a se manter nos trilhos e praticar a inteligência emocional financeira.

Ademais, também pode servir como recompensas por todo o esforço investido para alcançá-los.

Quando se tem planos e sonhos a realizar, sacrificar alguns gastos no curto prazo, não parece tão difícil assim.

Para trabalhar a inteligência emocional financeira, é importante seguir a regra de ouro de muitos grupos de ajuda: um dia de cada vez.

Em pouco tempo de prática, o comum será pensar antes de gastar e não o contrário.

Use a forma de pagamento correta

Deixe o cartão de crédito para compras de bens essenciais de altos valores ou aquelas nas quais você pode se beneficiar de algum desconto ou programa de pontos.

Tente o máximo possível pagar no dinheiro.

Cerque-se de pessoas inteligentes emocional e financeiramente

Seguir exemplos é a melhor maneira de aprender na prática. Se você quer ser emocionalmente inteligente, fique próximo de pessoas que te inspiram nesse caminho.

Fortaleça os laços com pessoas que têm uma vida financeira equilibrada e estão sempre em busca de novos conhecimentos para melhorar seu patrimônio.

Evite pessoas pessimistas e que tratam o dinheiro com banalidade, ou que tenham como lema de vida: viver sempre o agora e ter satisfação imediata.

Esse pensamento é errado de diversas maneiras, ele pode colocar você em uma situação muito ruim.

Estar próximo de pessoas que são emocionalmente inteligentes e aplicam os conhecimentos nas finanças, ajuda não só a manter seu foco financeiro como pode aperfeiçoá-lo.

Leia sobre inteligência emocional

Ler livros dos grandes mestres da inteligência emocional como Daniel Goleman são uma boa porta de entrada para o assunto.

Goleman provou que o gerenciamento das emoções pode ser considerado uma habilidade.

Ou seja, pode ser treinada e alcançada por qualquer pessoa que se proponha fortemente a aprendê-la.

Conclusão

Inteligência emocional pressupõe controlar da maneira mais efetiva possível suas emoções.

É saber identificar seus sentimentos em cada ocasião e avaliar se essas emoções são benéficas ou prejudiciais para a realização dos seus objetivos.

Colocando em prática as dicas dadas nesse artigo, você poderá melhorar o controle de suas emoções e de seu dinheiro.

Quando se soma a educação financeira à inteligência emocional, sua vida financeira decola!